Carta de Repúdio

No dia 27 de dezembro de 2009 na Corrida do Jumento organizada pelo Sr. Paulo de Castro Sarmento Filho, os grupos de capoeira: Guerreiros de Aruanda, Tradição e Candeias foram alvo de opressão e discriminação.

Ao realizarem uma roda de capoeira integrada, na Avenida Monsenhor Clóvis Duarte de Barros os mesmos foram autuados pela Policia Militar, numa atitude grosseira e preconceituosa do Sr. Paulo de Castro Sarmento Filho, que ao invés de pedir para os organizadores encerrarem a apresentação, preferiu chamar a policia para retirá-los do local.

A capoeira é um misto de arte, dança e luta e está presente em nossa história de luta por libertação, é inadmissível que em pleno século XXI a capoeira seja vista como ato de vandalismo e os adeptos dessa arte tratados como marginais.

Por isso, nós que fazemos a AGRUCENUP- Associação dos Grupos Culturais e Entidades Negras de União dos Palmares, Grupo Candeias, Grupo Guerreiros de Aruanda e Grupo Tradição estamos veiculando esta carta de repúdio ao Sr. Paulo de Castro Sarmento Filho, que se intitula “O Rei da Cultura”, expondo assim toda a nossa indignação.

É preciso respeitar os grupos que fazem cultura nesta cidade, principalmente os grupos de capoeira que vêm durante décadas sendo reprimidos por uma minoria preconceituosa que usam de nossa cultura para beneficiarem-se, adquirindo prestigio e recurso, através dos movimentos culturais.

Nossos agradecimentos aos Palmarinos que apóiam e divulgam essa carta.


César José de Oliveira Silva.
GRUPO DE CAPOEIRA TRADIÇÃO.


Djalma Roseno Filho.
PRESIDENTE DA AGRUCENUP.



União dos Palmares- AL
Janeiro de 2010.

1 comentários:

BOCA DE CAÊRA disse...

esse Paulo de Castro Sarmento Filho, é mais dos muitos demagogos da sociedade palmarina, ele se esconde atrás da pele de "rei da cultura" quando na verdade é o Rei da politicagem, do preconceito, da hipocrisia e do atraso cultural. que só quer posar de individuo culto, mais não passa de mais um serviçal do coronelismo semifeudal que reina em união dos palmares, e como tal, só reproduz a sua própria cultura; A cultura da opressão, contra os grupos que ele mesmo diz defender.