E AGORA É CREEEEEEEEEEEU!

Estamos no período eleitoral, que elegerá prefeito e vereadores. Todos os artifícios para expor o projeto das candidaturas ao eleitor são usados pelos Marqueteiros de plantão, todo artifício possível (cartaz, folder, pinturas em paredes, adesivos de todas as cores e tamanhos, comícios, programa de rádio e por aí vai). Também muito usado, e um saco pra maioria dos eleitores, é o Jingle. O que é? A peste da música da campanha do candidato.
As propostas dos candidatos para governar União dos Palmares, é o que o povo desta cidade quer ouvir, propostas que tragam soluções para resolver os problemas de Saúde, como do HSVP, que em péssimas condições, foi devolvido pelo Grupo JL, por que perdeu a eleição; Educação, temos escola funcionando sem estrutura, ou que, após sua construção ameaça desabar; ruas sujas e sem Saneamento, como o Loteamento Santa Maria Madalena e o tradicionalmente conhecido, Terrenos, Abolição, Santa Fé, Multirão (...). Ao contrário só ouvimos nos palanques ofensas entre as candidaturas do “Amigo” e do “Dr.”. Além da baixaria dos comícios e dos programas de rádio, somos obrigados agora, a escutar uma paródia desgraçada do tal CREEEEEEEEEEEEU. Uma afronta à inteligência humana, esta maldita coisa (“música”), tomou conta do país, imposto goela baixo, pela mídia nacional e agora está na campanha de União.
Vejam até que ponto chega a criatividade daqueles que querem governar União. Além de espírito de defunto que baixa e escreve carta para pedir voto para candidato, tem uma música burra, achando que o povo é burro.

ACORDA UNIÃO!!! Voto não tem preço tem conseqüências. São quatro anos amargando o erro.
Márcio Ferreira
Biblioteconomia - UFAL

4 comentários:

Dallas Diego disse...

geralmente escolhem as musicas (leia-se porcarias)que sao feitas para a massa leiga que infelizmente ainda existe, é incrivel, vi uma criança de aprox. 5 anos pedindo pra mae comprar o cd do tal Creu, fiquei puto...
Assim nao dá!

Sérgio ACORDA UNIÃO disse...

Realmente a maioria das músicas são péssimas, sem letras, sem conteúdo, seguindo um padrão que já vem estabelecido. Quase não existe música original. Se a maioria nem com isso se preocupa, o que dirá quando chegarem ao poder

Wenndell A. A. disse...

As músicas escolhidas refletem o gosto geral da população local.

Tarcísio José! disse...

Texto muito bom Márcio, parabéns! Adorei o estilo livre da escrita, o uso, digamos genial, de palavras como peste e goela.
O que me revolta, entretanto, é o fato de vermos a confirmação de opiniões extremistas como a do Wendell. Por incrível que pareça, sim, o povo gosta mesmo deste tipo de música por isso viram jingles de campanha. E se popularidade de jigle garantir vitória... Ih, tamo fudido!
Um abraço. Espero ver o próximo texto.